“Do caderno para Câmera” curta-metragem retrata de Intolerância Religiosa

Duas Rosas

Resultado de imagem para duas rosas - will dubrok
Cartaz do filme Duas Rosas, de Will Dubrok.Foto de divulgação. (DIVULGAÇÃO)

Conta história de Alex e Diana, dois jovens que lutam para ficar juntos, mas o destino os leva a separação por suas diferenças religiosas. – Tudo partiu de um trabalho de escola que estava montando, dai tive a ideia de fazer um curta-metragem com grupo. Não havia recurso algum, mas coloquei a cara a tapa e arrisquei mesmo assim. A mensagem do filme é muito bonito, por que nos faz refletir do olhar sobre o próximo, o romance entre os dois jovens é apenas o gacho puxando fatos reais.-  Diz Will.

Will Dubrok em uma das gravações do filme. (Foto: Jorge Paulino).

O cenário e o figurino foram compostos pelos próprios alunos, pegando figurino de espetáculo, objetos para cenário. – Fomos numa mata pegar galhos de árvore para montar uma fogueira. – Diz Caio Costa um dos personagens. Depois do filme já pronto, o grupo fez uma sessão em uma das salas de aula onde acolheu mais de 50 pessoas.

Em 2019 está previsto o lançamento do livro. No qual vai ter situações mais ablangente. Trás novos personagens como Marcos Vinicius, que foge dos princípios da igreja e percebe que a Wicca não é o véu no qual a igreja impregnou.

Saiba mais no video abaixo:

Dança para o mundo!

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, sapatos, noite e área interna
Espetáculo Dis Forme, de Raffa Barros (Foto: Caio Costa)

Espetáculo de Dança Dis-Forme, de Raffa Barros.

Todo mundo se pergunta o motivo da existência na terra e a vida normal que cada um leva, mas ninguém se pergunta dos sentimentos internos mais profundo, no qual no fazemos coisas sem sentido ou não ter feito. Dis-Forme trás um pouco da dança Botoh. – Algumas pessoas sempre pensa que a vida é uma competição, quem vai chegar na linha de chegada primeiro… Isso faz esquecer que todo mundo pode chegar ao mesmo tempo sem puxar tapete de ninguém. – Diz Raffa Barros.

Nenhuma descrição de foto disponível.
Em cena Will DUbrok e Manu Souza. (Foto: Caio Costa)
A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sentadas, pessoas no palco e noite
Em cena (Esquerda pra direita.) Vitor Abreu, Will Dubrok, Sylvia Mariano, Raffa Barros e Manu Souza. (Foto: Caio Costa)

Uma das cenas mais emblemática, é que os atores-bailarinos brigam para quem vai possuir pra si um pedaço de pano vermelho, com expressões intensas. No elenco está Raffa Barros, Manu Souza, Sylvia Mariano, Vitor Abreu, Mylena Barbosa e Will Dubrok.

Confira o trecho do espetáculo abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=wf7ajRXcpiM

Wal Schneider no Programa do Jô Soares 2007

José Valdemir da Silva Gomes, mais conhecido como Wal Schneider. Aos 17 anos saiu do Ceará – Tabuleiro do Norte de carona em um caminhão de melão, para seguir o sonho de ser ator no Rio de Janeiro. Wal, passou por muitas dificuldade; Lavou pratos, fez faxina, trabalhou em uma padaria e passou fome, até conseguir se formar como ator na CAL – Casa de Artes em Laranjeiras. Participou de novelas e seriados.

Assista a entrevista completa no link abaixo:

https://globoplay.globo.com/v/1673219/

Wal Schneider é entrevistado no Programa Os Donos da Bola com Edilson Silva

Resultado de imagem para wal schneider no programa os donos da bola
Wal Schneider após ser entrevistado por Edilson Silva no programa Os Donos da Bola (Foto: Vitor Abreu)

Na terça-feira (16/01) Wal Schneider vai ao programa Os Donos da Bola, apresentado pelo Edilson Silva na TV Band. Wal fala sobre o grande lançamento do livro “Um Palco e Muitas Vidas”, de Teresa Montero, que a conterá a noite às 19:00 na Livraria Argumento, do Leblon.

O livro “Um Palco e Muitas Vidas”, de Teresa Montero trás a trajetória do Wal Schneider e o Projeto No Palco da Vida, contando toda caminhada de pura resistência na arte e na vida.

O projeto completou 10 anos (2017). Tudo começou com quando Wal Schneider foi convidado pelo SESC de Ramos para dar uma oficina de teatro para 50 meninos e meninas do Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio de Janeiro. – Um sonho quando seguiu a risca as palavras do Sr. Emílio Carlos Rollo Schneider “Vou te ajudar, mas você terá que ajudar outras pessoas a realizarem seus sonhos.” – A oficina durou seis meses, mas uma das alunas convidou para dar aulas no juro da casa dela e o projeto deu seus primeiros passos. Até que em 2011 teve sua sede fixa em Olaria (Rua Uranos, 1363).

Nesses 10 anos o projeto já atendeu mais de 3.000 mil crianças, jovens, adultos, idosos e pessoas com necessidades especiais com aulas gratuitas de teatro, dança, música e literatura. Motivando sonhos, no qual a cada dia chega pessoas com grande sede de realizarem seus sonhos.

Assista agora a baixo a entrevista:

Memórias de Nossa Infância brilhou nas Bibliotecas Parques do Rio de Janeiro

A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé
Elenco do espetáculo memórias de Nossa Infância. 2016 (ACERVO DO PROJETO.)

Muita coisa vem acontecendo desde o início do ano de 2016. Tivemos a ideia de levar o nosso espetáculo para as Bibliotecas Parques. Deu certo! Circulou por Manguinhos, Complexo do Alemão, Niterói e Rocinha.

Uma experiência única para os alunos novos que chegaram, como a Ana Ferreira de 76 anos, que atua e toca violão em cena – Eu nunca pensei que passaria por essas coisas, o projeto me ajudou a ver que posso entrar em cena, mesmo com toda minha timidez. O elenco me ajudaram muito, como a Edê que passava as letras das músicas da peça comigo. – Diz Ana. Pessoas especiais como a Juliana Patrocinio que tem leve grau de autismo, que ao entrar em cena se inspira na dança Carimbó. O CarlosEstrella também tem certo grau de autismo, toca violão e piano super bem .

Esse ano foi o melhor elenco, por que desenvolvemos talentos para música também, cantando ao vivo, nunca pensei que cantaria – Diz Luiz Alberto de 13 anos. Todo mundo carrega um sonho intenso dentro de si mesmo e o projeto vem despertando isso, como a Sylvia Mariano que faz faxina no trabalho o dia inteiro, entra em cena e ajuda o projeto. Caio Costa e Will Dubrok ensaiando as músicas, Vitor Abreu na co-direção, Edê Barbosa, Amanda Oliveira, Juliana, Rô Santana no cenário cada um criando em torne de conjunto.

O espetáculo conta histórias de nordestino que saíram do ceará em busca de serem artistas no Rio de Janeiro, ao chegar aqui se deparam com situações sociais bem diferente da realidade que viviam. O espetáculo trás texto de Frederico Garcia Lorca, Manoel de Barros, Cora Coralina, João Cabral de Melo Neto, Torquato Netto, Clarice Lispector, Bertolt Brecht e Ricardo João Magalhães. Com músicas de Tom Zé, Renato Teixeira, Elza Soares, Arnaldo Costa, Luiz Gonzaga, Cazuza, Sandra Peres e Gonzaguinha.

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, casamento e close-up
Sylvia Mariano e Ana Ferreira nos bastidores do espetáculo memórias de Nossa Infância (Foto: Will Dubrok)